sábado, 22 de julho de 2017

Precisamos construir novos líderes

     Talvez eu esteja sendo repetitivo e óbvio ao dizer que temos uma carência de líderes, não somente em quantidade, mas principalmente em qualidade, pois está cada vez mais fácil constatar esta realidade. Tamanha carência gera dificuldades de sucessão tanto nas entidades associativas, nas comunidades, quanto nas empresas, nas propriedades rurais e nos poderes públicos. Esta dificuldade que já vem de tempos gera consequências desastrosas para o desenvolvimento em todos os seus aspectos.
     Fazendo coro com outros pensadores e pesquisadores da área, entendo que a responsabilidade por formar outros líderes, é dos líderes atuais. Peter Druker (considerado o pai da administração moderna) chega afirmar que a principal função de um líder é formar outros líderes e justifica tal afirmação pela necessidade de sucessão e continuidade dos projetos estratégicos, em geral de longo prazo. Uma família, uma entidade associativa, uma propriedade rural, uma empresa, uma cooperativa, uma universidade, um projeto de desenvolvimento local ou regional são por natureza, de longo prazo. Ações cujos resultados dependem do longo prazo para serem desenvolvidas precisam que os atuais líderes planejem suas sucessões, considerando mais de uma alternativa. O motivo é simples, somos todos falíveis, não sabemos quanto tempo Deus nos permitirá na atual condição e se não construirmos quem e como será a sucessão colocaremos em risco tudo o que já foi construído.
     Liderança se aprende em casa, se completa na escola e ao longo da vida pessoal e profissional, principalmente no convívio com bons exemplos. Cursos específicos também auxiliam, mas praticar a liderança nas decisões familiares, no grupo de jovens, na igreja, no centro de tradições, na sala de aula e em muitos momentos que a vida proporciona desde cedo, geram um grande aprendizado. Estes espaços auxiliam na formação de hábitos que contribuem significativamente para o estilo de lideranças que a sociedade necessita, como carisma, valorização das pessoas, estímulos para a motivação dos colegas, desejo de bem estar dos pares, ouvindo e dando retornos sobre as ações de quem está ao seu lado.
     Os líderes são pontos-chaves tanto de uma unidade de negócio, um setor, uma filial, quanto de toda a organização. O sucesso de um setor e da organização como um todo é altamente dependente das atitudes dos líderes, pois uma organização nunca é e nem será maior do que a capacidade dos seus líderes de fazerem acontecer. Da mesma forma é lógico dizer que a liderança mal desempenhada é a maior razão de episódios de estagnação, desmotivação, declínio, perda de atratividade para quem trabalha e para seus públicos de interesse. Um líder precisa manter as condições de unir as pessoas, comungar objetivos, amar e respeitar o próximo.
     Bons gestores e bons líderes são atualmente os ativos mais valiosos que uma organização pode ter. Sabendo que a manutenção de talentos é a cada dia que passa um desafio maior para as organizações que desejam desenvolver-se e atrair públicos de interesse, é preciso lembrar sempre que as palavras movimentam, mas os exemplos arrastam. Os líderes precisam saber e mostrar aos seus seguidores que o futuro não é o lugar para onde estão indo, e sim, o lugar que estão construindo. Refletir como estamos preparando nossos sucessores e também, como estamos construindo o futuro, é uma tarefa diária.
     Uma das dificuldades para exercer a liderança, é entender que um líder se constrói pelo exercício das competências e não pela posse ou pelo cargo. Da mesma fora é preciso agir sabendo que os seres humanos são complexos e que possuem grandes diferenças entre si, principalmente quanto aos interesses e motivações individuais. É preciso ficar claro também, que líderes são pessoas comuns, que possuem habilidades comuns e constroem algumas competências também comuns ao longo da vida, mas que no seu conjunto, formam uma pessoa incomum, capaz de gerar nos seguidores, influências positivas, estimulando a motivação individual, para buscar objetivos coletivos e da organização.
     Desejando que você possa liderar melhor, um abraço e até a próxima semana!

sexta-feira, 14 de julho de 2017

Fazendo o que deve ser feito

Dias atrás quando eu participava de um debate sobre gestão empresarial e inovação surgiu uma questão sobre as dúvidas do que priorizar na tomada de decisões. Rapidamente vários participantes manifestaram questões e opiniões como “o tempo é curto”, “temos muito a fazer”, “como escolher o que fazer primeiro?”, “o que não fazer?”, dentre outros. Ainda enquanto os participantes se manifestavam lembrei que também me sinto assim seguidamente e aproveito o espaço de hoje para compartilhar o que faço e como penso nestes casos.
Quando o tempo é curto e há muito o que fazer, penso primeiro naquilo que não deveria ser feito naquele momento e isso já permite tirar a atenção momentânea de algumas demandas. Lembro de uma máxima de Peter Druker quando disse: “Não há nada mais inútil do que fazer com eficiência algo que não deveria ser feito.” Então, me pergunto sempre por primeiro, quando e o quanto cada demanda que tenho pela frente precisa ser atendida e qual o nível de detalhamento e atenção que devo dar a cada uma.
Diante de uma lista grande de demandas importantes procuro lembrar sempre da frase de Andrew Carnegie quando disse “Aquele que quer fazer tudo sozinho, jamais será um grande líder, muito menos aquele que quer ficar com todo o crédito por fazê-lo.” Desta maneira, vou anotando nomes com os quais posso contar para assumirem comigo cada demanda. Algumas dependem da minha supervisão ou orientação, permitindo mais tempo de envolvimento com outras, que dependem mais das minhas habilidades e competências.
É preciso ter muito claro o que é prioridade para cada um de nós, tanto no campo pessoal, quanto profissional. Ter prioridades significa também escolher uma única coisa de cada vez para fazer em cada área, esquecendo um pouco do que vem depois. Ao concentrar-se numa coisa de cada vez em cada área acelera-se e qualifica-se o processo, aumentando a produtividade e o uso do tempo, o que também permite priorizar logo outra demanda.
Lembrar os motivos pelos quais estamos atendendo a cada demanda é essencial para podermos ficar mais seguros de que o que precisa ser feito está bem encaminhado. Por vezes, mesmo sem querer, vemos como barreiras, aquilo que na verdade são desculpas para não fazer o que precisa ser feito. “A culpa não foi minha!”, “Isso sempre foi assim...”, “Mas tem muita gente pior que eu...” são frases que ouvimos de pessoas próximas demonstrando sinais de fracasso ao invés de fazerem o que precisa ser feito. Da mesma forma, aqueles que quando veem um talento diferente nos outros, ao invés de buscar sinergias passam destacar os defeitos destes, assim como aqueles que entendem que os insucessos foram causados pelo azar estão demonstrando sinais de fracasso para fazerem o que precisa ser feito.
Seria maluquice dirigir olhando pelo espelho retrovisor e por isso a vida também deve ser vivida olhando para o que vem pela frente. O que ocorreu no passado não deveria representar barreiras significativas para fazer o que precisa ser feito na vida de cada um de nós. Eu sei que a nossa mente nem sempre colabora e nos faz pensar seguida e insistentemente em erros e reveses do passado, mas é preciso saber que é uma armadilha terrível para fazer o que é preciso daqui para frente.
Ter a mente tão ocupada com os problemas, com a lista de demandas, com o pouco tempo para fazer muito, deixa pouco espaço para as soluções e até mesmo para a satisfação que nos dá a busca da solução. Quando pensamos na solução, no problema resolvido, tudo fica mais fácil. É o que tento fazer.
Para realizar nossos sonhos, precisamos fazer o que precisa ser feito, o que pode parecer simples, mas não é. Filtrar os ruídos e fazer o que precisa ser feito, independente do esforço, das horas, das dores, do tempo, do que temos que deixar de aproveitar, do desconforto, do que temos que desapegar.
Desejo que faças o que precisas fazer!
Um abraço e até a próxima semana!

 

sexta-feira, 7 de julho de 2017

O 1º dia

Você lembra do dia de abertura de sua empresa? E do seu 1º dia daquele trabalho que tanto quis? Lembra do seu nível de motivação, ansiedade e principalmente, de tudo o que você queria realizar... das contribuições que queria dar?
Quanto tempo alguém que monta um negócio fica pensando, sonhando, elaborando mentalmente tudo o que gostaria de fazer e oferecer? Seja quanto tempo for, de semanas a anos, até que tudo amadureça na mente e se possa partir para a prática, se acumulam muitos desejos, expectativas e vontade de fazer acontecer a partir deste 1º dia. Ter o emprego, cargo ou função desejada também leva algum tempo, na maioria das vezes anos, que igualmente acumulam muita vontade de realizações, a partir do 1º dia.
Deixar o seu legado, a sua marca nas pessoas, na comunidade, no meio em que você gosta é considerado por muitos, o principal elemento de motivação no trabalho, seja como empreendedor, ou profissional de uma organização. Os primeiros dias numa atividade precisam ser de ambientação, de conhecer as pessoas, entender a estrutura, como tudo funciona, etc., mas isso é a rotina, as normas, e as necessidades que se impõe. O sentimento dentro de cada um neste 1º dia na atividade não tem descrição, nem normas, mas em maior ou menor nível, sabe-se que a expectativa gera sempre muita vontade de acertar e de realizar muito.
Seja você empresário, gestor, empregado, servidor público, a intenção deste texto sugerir que procures resgatar um pouco daquele sentimento do 1º dia na atividade, querendo fazer muito, desejando proporcionar o melhor ao dar suas contribuições, deixando seu legado neste lugar e para estas pessoas.
No conhecidíssimo filme o treinador Mickey diz para Rocky Balboa “o pior que pode acontecer a um lutador é ele tornar-se domado”. Amigos, olhem para os lados e nos lugares que frequentam, para ver quantas pessoas parecem ter sido “domadas” pelo conformismo, pela  acomodação com o que está vivendo. Quantos espíritos empreendedores, quantos novos empregados entusiasmados foram “domados” pelo passar dos anos, pelas limitações que eles mesmos estabeleceram em suas mentes ao pensar que a idade, que a família, que a cidade, que fatores externos são barreiras para fazerem mais e melhor?   
O empresário gaúcho Raul Anselmo Randon, das indústrias Randon, articulou a criação e o desenvolvimento de outros 5 grandes e excelentes negócios na área de vinhos, laticínios, frutas, logística depois dos 70 anos. Erick Clapton compôs “I Still Do”, o 23º álbum da carreira, tido por muitos como o melhor da carreira. Estes e tantos outros que admiro, mas o espaço não permite mencionar não precisam mais provar nada para ninguém, nem precisam sustentar suas famílias, mas criam, fazem, empreendem, até o fim da vida como se estivessem no 1º empreendimento, no 1º dia de trabalho, na 1ª empresa, na 1ª música, no 1º álbum, querendo muito fazer melhor do que tudo o que já fizeram. Por estes tantos bons exemplos, tenho certeza que quando aprendemos a gostar do que temos, de quem temos, do que fazemos, conseguimos manter um tanto do entusiasmo, motivação e esforço do 1º dia, para fazer mais e deixar um legado melhor.
Ao pensar sobre a estagnação de determinadas empresas, instituições, ou de carreiras de gente conhecida, parece que haviam estabelecido uma linha de chegada, mas esqueceram de seguir adiante, para o próximo desafio. Depois de curtir, comemorar a chegada, descansar, precisamos planejar e partir para o próximo desafio. Além disso, a construção do legado, onde várias etapas podem ser concluídas já podendo contribuir com os outros e gerar satisfação a quem proporcionou, me parece ser mais importantes do que a tradicional linha de chegada.

Com o entusiasmo e a motivação do 1º texto, da 1ª aula, da 1ª palestra, da 1ª consultoria, da 1ª gestão, da 1ª empresa, do 1º livro, da estreia no jornal, desejo ótimos dias e até a próxima!

terça-feira, 4 de julho de 2017

Você conhece o mercado do seu negócio

Para inovar mais, empreender mais, desenvolver e fazer novos e melhores negócios é preciso conhecer melhor o mercado onde você faz ou quer fazer negócios. Um dos temas que tenho contribuído com debates e palestras em vários municípios é inovação e oportunidades para empreendedorismo, assuntos que também refletimos por aqui algumas vezes.
Ao preparar um painel e as palestras sobre inovação, empreendedorismo e desenvolvimento dos municípios temos levantado informações sobre investimentos e resultados de cada setor de atividade, números de empreendimentos, renda e empregados em cada setor. Um dos pontos que chama a atenção é que muitas lideranças tanto empresariais quanto públicas, trabalham com percepções que muitas vezes não condizem com vários indicadores fundamentais para entender e contribuir com o desenvolvimento local e regional.
Um dos equívocos que se comete ao não saber com precisão os dados da economia local é ignorar o fato de que o setor de serviços é o mais importante para os empregos e a renda da  maioria dos municípios. A quem quiser saber mais, sugiro verificar quantas empresas de serviços como saúde, engenharia, contabilidade, direito, assistência técnica, mecânica, elétrica, terraplanagem, costura, construção, transportes, informática, bares, restaurantes, hotelaria, limpeza, e outros existem no seu município? Quantas pessoas elas empregam? Qual o valor adicionado deste setor na economia local? Quanto é investido para desenvolver o setor de serviços e quanto ele retorna em tributos?
Quantas empresas de varejo como comércio de roupas, veículos, máquinas, peças, alimentos e bebidas, móveis e eletrodomésticos, produtos agropecuários e outros e quantas indústrias tem no município? Quantas pessoas elas empregam? Qual o valor adicionado deste setor na economia local? Quanto o município investe para desenvolver o varejo e a indústria e quanto este setor retorna em tributos?
Quantas propriedades rurais existem no seu município? Quantas pessoas elas empregam? Qual o valor adicionado deste setor na economia local? Quanto o município investe para que este setor tenha um maior valor agregado e como a agropecuária pode ampliar a contribuição em agregação de valor, empregos e tributos para aumentar o retorno sobre o que recebem de investimentos e incentivos?
Quais são os serviços e os produtos que os moradores não encontram localmente? Qual o volume de cada um deles? Quais os motivos dos moradores comprarem em outros locais fisicamente ou pela internet? Quantos e quais destes produtos e serviços poderiam ser incorporados ao portfólio das empresas locais? Quantos e quais deles poderiam ser desenvolvidos com o apoio do Parque Tecnológico mais próximo? Quantos poderiam estimular o surgimento de novas empresas apoiados ou não pela Incubadora local, ou mais próxima?
Qual é a renda média do município em cada segmento da população por faixa etária, grau de instrução, setor de atividade? Muitas lideranças de muitos municípios desconhecem os números que mostram por exemplo, o quanto a renda média das pessoas com ensino profissionalizante e principalmente com ensino superior impacta positivamente na economia local, pois se soubessem, certamente trabalhariam mais para aumentar esta fatia da população.
Certamente é preciso mais do que estas informações para um município decidir suas prioridades, mas para decidir investimentos, já é um bom começo. Embora alguns estes números até possam ser bem conhecidos, é preciso se perguntar se quem decide investimentos também tem estas informações e as suas consequências. Precisamos reduzir significativamente a tomada de decisões baseada em opiniões pessoais, ou de um pequeno grupo e aumentar o uso dados estatísticos, informações precisas, atualizadas e confiáveis para decidir detalhes da vida de pessoas, empreendimentos, negócios e municípios.

Pensem nisso, amigos! Um abraço e até a próxima!

sexta-feira, 23 de junho de 2017

O que controlamos em nossa vida

É bastante frequente ouvirmos e lermos as pessoas reclamando sobre acontecimentos indesejados em suas vidas. Há quem trate a vida como se tivesse que seguir um roteiro sobre o qual não tem domínio, assim como há aqueles que procuram determinar o que ocorre com suas vidas. Infelizmente estas últimas parecem ser a minoria.
Quem estuda o assunto afirma que a grande maioria dos acontecimentos na vida de uma pessoa são consequências do que ela faz, portanto, controláveis por serem frutos das suas escolhas. O autor Stephen Covey é um dos que prega que apenas uma pequena parte dos acontecimentos de nossas vidas depende das circunstâncias. Para ele temos domínio sobre 90% do que ocorre conosco, assim como muitos outros autores dizem que somos nós que decidimos os fatos que terão resultados e consequências em nossas vidas e seus detalhes.
Se o celular caiu e quebrou, se derramou café na roupa, se a comida queimou, se chegamos atrasados, se perdemos algum momento importante... é certo que poderíamos ter feito algo diferente antes de cada um destes pequenos acidentes para evitar as situações desagradáveis decorrentes deles. Mas mesmo quando não nos prevenimos e estas situações ocorrem, ainda está sob o nosso controle as reações que teremos a partir destes eventos. Culpar os outros, ou a Deus, se lamentar, repetir frases sobre azar, desgraça..., ou então, entender que você é que não conseguiu evitar, que o melhor é resolver logo, com calma e tranquilidade, levantando a cabeça e seguindo em frente sem perder o foco, nem energias no que não vai auxiliar. Temos estas escolhas a todo o momento!
O horário do transporte, da aula, do trabalho, da reunião, a fila, o congestionamento, assim como o frio, o calor, o vento, a chuva, é certo que não podemos controlar, mas estes fatos correspondem a uma pequena parte de nossas vidas. Por outro lado, sair com um tempo de folga, planejar horários e trajetos, evitar horários de pico de trafego, o que levar, quando sair, quando voltar, o que aceitar e o que recusar, revisar o veículo com tempo para algum concerto preventivo, fazer exames preventivos e de rotina, dentre muitas outras ações estão sob o nosso pleno domínio.
Quando alguém nos ultrapassa numa manobra arriscada no trânsito e corta a frente para ocupar o espaço da folga de segurança que havia entre nosso veículo e o outro, é irritante, não é mesmo? Todavia, ao lembrar que não estamos no trânsito para competir e que queremos chegar com segurança, em paz e concentrados no que temos no destino, nos damos conta de que não temos motivos para gastar tempo e energia com aquela situação. Quando um evento, um voo, uma carona, ou familiares se atrasam podemos ocupar o tempo para ler, ou então, para conhecer outras pessoas que também estão aguardando. Irritar-se e até repreender alguém pelo tempo que você ficou na espera não vai auxiliar ninguém e ainda pode criar dificuldades para os relacionamentos, assim como para a imagem e marca pessoal.
Experimente controlar as suas reações diante dos acontecimentos indesejados da sua vida, se dando conta de que a energia gasta será muito maior e os resultados serão ainda piores. Em seguida, busque analisar o que você poderia ter feito de diferente para evitar a consequencia negativa, ou obter um resultado melhor. Analise os últimos acontecimentos negativos de sua vida considerando como teriam se desenrolado se você tivesse feito graça de alguns, resolvido logo outros e sem reclamar, simplesmente aguardado com paciência e uma leitura (no smartphone mesmo), ou uma boa conversa sobre amenidades, esquecido algumas mágoas, ou perdoado mais cedo...
Precisamos ter mais consciência de que temos domínio sobre quase tudo o que ocorre em nossa vida, assim como saber que daquela pequena parte que não dominamos, podemos ter o controle de nossas reações. Com a consciência do empoderamento de nossas vidas e o controle de nossas reações ao pouco que não podemos mudar, é possível termos vidas muito melhores.

Um abraço com o desejo de ótimos dias a todos!

sexta-feira, 16 de junho de 2017

Entusiasmo e motivação

Dias atrás conversei longamente com um amigo pequeno empresário do setor industrial, que relatou que depois de vários anos de atividade e diferentes crises, pela primeira vez se via sem entusiasmo com a atividade empresarial. Também recebi reações de leitores, se dizendo desmotivados com tantos golpes sofridos especialmente pelas micro, pequenas e médias empresas que representam 99% da iniciativa privada no Brasil, sendo preponderantemente familiares.
Onde buscar entusiasmo e motivação, me perguntaram alguns, lembrando que nosso país não proporciona segurança jurídica para desenvolver investir ou empreender e mesmo assim, alguns tem se referido a este grupo como “poderosos”, “exploradores”, dentre outros, sendo mal tratados por segmentos do sindicalismo, da fazenda pública, do poder judiciário e de políticos brasileiros. Empresário, profissional liberal, empregado do setor privado ou servidor público, todos precisamos buscar motivação e entusiasmo para superar as dificuldades que estamos vivendo.
A gramática nos mostra que a palavra entusiasmo em português tem origem no latim, que derivado do grego significa inspiração, êxtase, normalmente ligado ao divino, pois os gregos diziam-se entusiasmados quando se sentiam arrebatados pelos deuses. A gramática também mostra que motivação tem origem nas expressões para movimento e motivo para agir, no latim e grego que originaram o português. Me parece que assim, fica mais fácil responder onde buscar entusiasmo e motivação, entendendo que significam inspiração, fatores e motivos para agir.
Tenho 2 filhos, esposa, pai, mãe, irmã, cunhados, sobrinhos, e demais familiares que todos os dias me inspiram mesmo que indiretamente a dar o melhor de mim em tudo o que eu faço, pois as minhas atividades, seus resultados e consequências repercutem na vida deles. Sugiro sempre que pensem no futuro da sua família, quando faltar entusiasmo e motivação. Tenho um nome, assim como cada um dos leitores, que é a marca pessoal e profissional, construído com muito trabalho duro, durante anos, que precisa ser mantido diariamente. Contribuo com a direção de uma instituição que impacta a vida de muitas pessoas que precisam que eu dê o melhor de mim, para que possam ter um futuro melhor. Quando faltar entusiasmo e motivação, sugiro que pensem quantas vidas são afetadas pelo que fazemos tanto profissional, quanto voluntariamente.
Vejam que entusiasmo e motivação são diferentes de otimismo, pois estamos falando de inspiração e motivos para agir. Estar entusiasmado é ter Deus dentro de si, dando força, fé e energia para transformar a realidade onde nossa ação puder alcançar, apesar das dificuldades aparentes. Eu não acredito que basta entusiasmo para vencer as dificuldades na busca do que se necessita e deseja. Acredito que sem entusiasmo não é possível vencer os muitos obstáculos que a vida impõe a cada um de nós. Motivação é o conjunto de fatores que nos colocam em movimento, então, como é que tudo o que ainda queremos fazer na vida, familiares, colegas e suas famílias, os clientes de onde trabalhamos, os clientes e familiares deles não seriam motivos suficientes para darmos menos atenção a política, a violência, as catástrofes ambientais e aos indicadores econômicos, para que eu dê o meu máximo em cada ação?
Naquilo que somos apáticos, mornos, demostrarmos mesmo que indiretamente pouca vontade, não conseguiremos motivar, nem entusiasmar ninguém a seguir conosco. Para vencer nestes tempos loucos e competitivos, concretizar sonhos em que talvez poucos acreditem, precisamos paixão, entusiasmo, Deus dentro de nós e todos os motivos para nos movimentarmos e agir presentes em nossas mentes, o tempo todo!
Pensem nisso, amigos!

Com entusiasmo, motivação, desejo ótimos dias e até a próxima!

quinta-feira, 8 de junho de 2017

A força da gratidão

Na última publicação escrevi sobre minha convicção de que as pessoas do bem são a maioria, mas que ficam quase no anonimato diante do foco da mídia e no volume das notícias de tragédias, fraudes, roubos e violência. Hoje conto um pouco de uma das muitas histórias que entendo serem merecedoras de maior divulgação pelo efeito multiplicador que precisariam ter em nossa sociedade.
Auxiliar as pessoas que querem estudar e se profissionalizar, mas que não tem todas as condições de acesso, assim como realizar doações a instituições de ensino são práticas bastante difundidas nos países mais desenvolvidos. Egressos de escolas, faculdades, universidades com carreiras consolidadas fazem doações para as instituições onde estudaram, assim como algumas empresas que tem empregados formados por estas instituições. Os que se dedicam mais profundamente a esta causa criam fundações que de forma mais robusta angariam recursos em maior volume e contribuem com diferentes instituições. Infelizmente estas práticas ainda são raras no Brasil e ao meu ver, mais raras por não terem seus casos publicados e promovidos para constituir-se num exemplo a ser seguido por mais gente.
 Em Horizotina-RS há um espírito comunitário diferenciado, com várias iniciativas de participação e visando o bem comum e é deste lugar que escrevo para destacar o trabalho da Fundação Capacitar, que está completando 10 anos de atividades, envolvendo um conjunto de voluntários e beneficiários. Relatam os instituidores, Martin e Maitê Mundstock, que sempre foram muito gratos com o que receberam das suas famílias, da comunidade, da instituição em que estudaram e das empresas em que trabalharam. Para expressar esta gratidão, queriam fazer algo que contribuísse decisivamente com a vida de outros. O primeiro movimento para a criação da Fundação Capacitar foi a doação de recursos financeiros para a construção de um prédio para o campus da FAHOR. Gratos pelo gesto, a instituição entendeu que tinha que fazer a sua parte e transformou os recursos recebidos em bolsas de estudos para um fundo rotativo e auxiliou na constituição de um grupo para definir os critérios de concessão do benefício. Foi definido o processo seletivo para que o público alvo fosse candidatos que desejam estudar, mas não tem condições financeiras para bancar totalmente seus estudos e que possam demonstrar gratidão devolvendo o que receberam depois de formados e atuando profissionalmente. Além do financiamento dos estudos, cada beneficiário recebe o acompanhamento de um mentor, voluntário, geralmente profissionais formados na área ou áreas afim com o curso do beneficiário. Vários integrantes do grupo de mentores são profissionais que receberam o auxílio financeiro e mentoria da Fundação, outros são empresários, executivos, professores, profissionais que se engajam na causa e contribuem com o seu tempo, experiência e conhecimentos. Beneficiários e mentores tem um programa de encontros a serem seguidos ao longo dos 4 a 5 anos de estudos, visando o desenvolvimento de competências pessoais e profissionais, que potencializam tanto a inserção e melhor desempenho no mundo do trabalho, quanto o voluntariado e a gratidão.
10 anos depois de sua constituição, a Fundação Capacitar conta com um número significativo de egressos que devolveram e seguem devolvendo os recursos financeiros que receberam para o fundo rotativo que segue auxiliando novos beneficiários a cada semestre. O fundo também recebeu recentemente aportes financeiros de outro casal de beneméritos residentes na cidade e de duas importantes empresas multinacionais, onde o casal instituidor trabalhou, contando ainda com o apoio de uma professora doutora aposentada de uma universidade do EUA. Além dos que doam recursos financeiros, dos que doam tempo e experiência em mentoria, a Fundação conta com o trabalho voluntário de membros da diretoria que planeja e organiza as atividades de formação complementar de mentores e mentorados, de profissionais da psicologia, da comunicação, dentre outros.
Estas pessoas não buscam notoriedade, mas o que fazem merece ter ecos em muitos lugares de nosso país. Por estas e outras, acredito que os de bem são a maioria!  

Um abraço e até a próxima!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...