sexta-feira, 13 de julho de 2018

Mudar é um grande desafio


A todo o momento se lê e ouve que tudo está mudando. Alguns se surpreendendo com a mudança, outros admirando, outros aproveitando, outros ainda se perdendo por causa das mudanças. Há por outro lado, os que estão fazendo as mudanças e não são poucos. Embora, em muitos discursos, textos e palestras possa parecer que mudança é algo dos tempos atuais, pode-se ver na frase de Heráclito (cerca de 540-470 a.C), "Tudo muda exceto a própria mudança.” uma orientação fundamental para as pessoas que seguiam seus pensamentos, e ainda muito atual.
Que tudo vai mudar, é a única certeza que temos, todavia, a história da humanidade mostra que sempre haverá os que não querem mudar. Pior que isso, parece que se desejam resultados diferentes, mas não se aceitam as mudanças necessárias para que os resultados sejam efetivados. Claro que há quem deseja apenas os resultados que o beneficiam, sem avaliar consequências para os outros e os efeitos colaterais.
No livro Miopia Corporativa, de Richard Tedlow, é possível ler: "A negação diante da mudança, típica característica de nosso modo de agir, é muito comum, sobretudo em empresas de trajetória bem-sucedida. Quando estamos satisfeitos e felizes, é tentador organizar nossa percepção da realidade de maneira que as condições que nos levaram a ela pareçam parte natural da ordem do mundo". Tedlow, baseado em seus estudos, e em outros autores e pesquisas, mostra que é natural para os seres humanos negarem a mudança, entendendo que quando as condições atuais são consideradas satisfatórias pelo indivíduo, tende-se a rejeitar as propostas de algo diferente do que está vigente.
Em boa parte das vezes a dificuldade em assumir riscos que são inerentes de qualquer mudança é que gera a dificuldade em aceitar a mudança, assim como a dificuldade em propor as mudanças necessárias. Racionalmente é preciso mudar para sobreviver, todavia, a busca da necessidade de segurança aumenta a tendência de manter tudo como está. As espécies que sobreviveram ao longo das eras são aquelas que melhor se adaptaram, assim como as empresas que alcançam 50 ou 100 anos são notadamente aquelas que melhor se adaptaram as mudanças ou as que criaram as mudanças em diferentes épocas. Os profissionais que admiramos por suas carreiras longas e promissoras são também aqueles que melhor se adaptaram ou criaram as mudanças ao longo do tempo. Todavia, parece que é mais difícil mudar para quem é bem sucedido, tanto profissionais quanto empresas. A prosperidade traz acomodação e com ela, a resistência a mudança, elevando justamente o risco de sucumbir diante de mudanças do ambiente. Gerar mudanças depois que as dificuldades se instalaram exige mais energia, planejamento e velocidade. Contudo, só é possível adaptar-se e/ou criar mudanças, adaptando a forma de pensar e agir.
Toda a mudança requer algum esforço, tolerância e disposição para deixar o conforto e assumir determinados riscos. Acompanhar as tendências e mudar constantemente proporciona melhores condições de evolução para empresas, sociedades e profissionais. Aguardar fatos importantes e contundentes, para só então proporcionar grandes mudanças exige grandes esforços, causando impactos de igual proporção, na vida de muitas pessoas.
Acompanhar as mudanças e mais do que isso, ser protagonista de mudanças não só gera esperanças nos outros, como renova as energias de quem está próximo, mas sobretudo, amplia o legado de quem proporciona as mudanças.
Um abraço e até a próxima!  

domingo, 8 de julho de 2018

Dicas para executivos e empreendedores


A revista Harvard Business Review, da famosa universidade norte americana apresentou recentemente um estudo sobre atitudes na liderança de negócios. Segue aqui uma tentativa de resumir e retratar da melhor forma, dicas apontadas por uma das melhores escolas de administração do planeta.
1 - Cumpra sua lista de tarefas – As pesquisas mostram a importância da disciplina, mas também, que ser disciplinado não é algo fácil. A sugestão é completar três atividades da agenda do dia, antes do almoço. Assim, será possível aproveitar melhor a refeição, seguro que a primeira metade do dia foi produtiva. Dividir os projetos em etapas também é uma forma eficiente para concluí-los. Outra dica é priorizar as partes mais difíceis das tarefas para o começo do trabalho.
2 - Faça de conta que você tem aquilo que deseja – Sabe-se que a mente é uma ferramenta poderosa, para o bem ou para o mal. Quando nos frustramos ou nos preocupamos, nossos pensamentos podem se tornar verdadeiros pesadelos. Seja porque não temos o respeito que esperamos dos colegas de trabalho, ou porque perdemos um cliente para a concorrência. Neste caso, pensar demais irá somar aos problemas existentes. A dica é agir como se fossemos, ou tivéssemos aquilo que se deseja. Mesmo que seja só fantasia no início, esta prática aproximarão suas atitudes do que seria o ideal.
3 - Priorize qualidade e não quantidade - Fazer muitas coisas ao mesmo tempo prejudica a qualidade de qualquer produto final. No entanto, também não deve-se concentrar em apenas uma tarefa por vez. Identifique os projetos mais importantes do momento e foque neles. As tarefas que não entrarem para essa lista podem ser adiadas.  
4 - Marque reuniões com você mesmo - Como dar o melhor de si no trabalho todos os dias? A dica é começar por um encontro com você mesmo, não importa o quão ocupado você esteja. Reserve uma hora de silêncio para refletir o que tem acontecido, como conflitos, oportunidades, feedback, para analisar como você tem reagido diante dos fatos. O que tem dado certo? O que precisa ser melhorado? Esta é uma reunião que nunca deve ser cancelada, dada a sua importância
fundamental.
5 - Pare de dar a desculpa de que é “assim” - Um dos piores hábitos de um líder é se desculpar dizendo que a sua característica “x” não pode ser mudada porque faz parte de quem é. A dica é não se apegar a comportamentos ruins, ou em desuso, só porque acredita que eles façam parte da sua essência. Em vez de pensar que é impossível mudar, pense em como você está se prejudicando e perdendo oportunidades.
6 - Demita-se (só de mentira) - Não espere sua empresa falir para mudar de comportamento. Pense em tudo que poderia ser feito se fosse o seu primeiro dia de trabalho. O que você mudaria? Dar um passo para trás, e momentaneamente demitir-se para começar um ciclo novo no seu negócio, ajuda a realmente avaliar o que está acontecendo. O exercício proporciona a visão de situações e análises que antes eram difíceis de serem vistas, e renovará suas energias.
7 - Seja todos os tipos de líderes em um - Com tanta informação disponível, será que o líder de hoje precisa ser analítico e organizado ou carismático e comunicativo? A dica é: ele precisa ser tudo isso. Em vez de se categorizar como um certo tipo de líder, explore a complexidade que o ambiente profissional exige. Líderes precisam transmitir mensagens com firmeza, ao mesmo tempo em que devem ser sensíveis aos problemas dos colaboradores.
        Ler estas dicas me fez repensar minhas práticas. Espero que possas rever algumas das suas também.
Um abraço e até a próxima!  

sexta-feira, 29 de junho de 2018

Estabelecendo o valor


Dias atrás recebi um vídeo do canal Daily Motivation (Youtube) que instiga uma avaliação sobre a vida e como se estabelecem as relações de valores entre as pessoas e também das pessoas com o valor dos serviços e produtos.
Sabe aquelas perguntas desconcertantes que os filhos fazem em determinadas fases da vida? A história que motiva o texto de hoje conta que um filho se aproximou do seu pai perguntando “Qual é o valor da minha vida?” O pai, entendendo a dificuldade da resposta, mas entendendo o conceito, e também, que existem respostas que só a vivência proporciona, pediu um tempo para pensar e logo chamou o filho, dando-lhe uma pedra e sugerindo que fosse ao mercado para vendê-la. Orientou que quando perguntassem o preço, era para mostrar 2 dedos e não dissesse mais nada. O menino então, foi ao mercado mostrando a pedra e depois de um tempo uma mulher perguntou: “Quanto custa esta pedra? Quero colocá-la no meu jardim.” Seguindo a orientação do pai, ele levantou os 2 dedos, ao que a mulher respondeu: “2 reais... vou levar!” O menino voltou para casa e disse ao pai: uma mulher quis comprar a pedra por 2 reais... eu não entendi, mas não creio que este seja o valor da minha vida. O pai pediu-lhe paciência, e deu nova orientação: “Filho, agora quero que leve esta pedra ao museu. Se qualquer pessoa quiser comprar, não diga nada, só levante os dois dedos.” Então o menino foi ao museu, mostrou a pedra para algumas pessoas, e logo um homem quis comprá-la. O menino não falou nada, só levantou os dois dedos, ao que o homem disse: “R$ 200 reais? Vou levar!” O menino voltou muito impressionado para casa, dizendo para o pai que um homem quis comprar a pedra por R$ 200,00. Então seu pai pediu paciência novamente e avisando que seria o último pedido antes da resposta, disse: “Filho, o próximo lugar que quero que leve esta pedra é uma loja de pedras preciosas, que fica no centro, entre o cinema e a relojoaria do pai do seu colega. Mostre ao dono da loja e não diga uma palavra. Se ele perguntar o preço apenas levante os dois dedos.” O filho foi a loja em que seu pai recomendou, pediu pelo proprietário e lhe mostrou a pedra. O dono da loja após observar a pedra, perguntou ao menino “Onde você encontrou esta pedra?” e na sequencia exclamou “Essa é uma das pedras mais raras do mundo! Preciso tê-la!” e perguntou por quanto lhe venderia a pedra. O garoto levantou os dois dedos conforme o pai lhe orientou e não falou nada. Então o homem disse: “vou ficar com ela pelos R$ 200mil”. O garoto sem saber o que responder e só pensando em contar ao seu pai, voltou para casa correndo para dizer “Pai, o dono da loja quer comprar a pedra por R$ 200mil!” Então seu pai disse: “Filho, agora que lhe falar sobre o valor da sua vida?” e completou “Veja, não importa de onde você veio, onde você nasceu, a cor da sua pele, ou em meio a quanto dinheiro você nasceu. O que importa é onde você decide se posicionar, bem como as pessoas com quem que você convive e como você decide levar sua vida. Você pode ter passado a vida toda pensando em ser uma pedra de R$ 2,00. Você pode ter vivido a vida toda em volta de pessoas que te enxergavam com o valor de 2 reais mas cada um de nós tem um diamante dentro de sí e pode escolher rodear-se de pessoas que enxergam o valor e o seu diamante. Podemos escolher entre nos colocar em um mercado qualquer, ou nos colocar em uma loja de pedras preciosas. Você pode inclusive escolher ver o valor nas outras pessoas, você pode ajudar outras pessoas a enxergar o diamante dentro delas. Escolha com cuidado as pessoas das quais você se cerca, pois isso pode fazer toda a diferença em sua vida.
Você quer ser mais valorizado? Reflita melhor sobre os meios em que você circula e de quem você se cerca.
Um abraço e até a próxima!  

sábado, 23 de junho de 2018

A criatividade pode nos salvar


Por vezes, geralmente após uma série de comentários de colegas e amigos, e de acompanhar uma série de notícias, ficamos atordoados e pouco esperançosos com o futuro do lugar em que vivemos, e de nosso País. Todavia, você já parou para pensar nas coisas que realmente mudam para melhor ou para pior na sua vida, com a ação dos governos? Quanto das coisas boas da sua vida vieram pelo seu esforço, ou do lugar onde você trabalha, e quanto veio das ações dos governos, local, estadual ou federal?
As dificuldades sempre existiram, existirão, são parte da vida e você já é bem grandinho para saber disso. E de algum modo até é bom que existam as dificuldades, pois sabemos que aquelas pessoas que passam boa parte da vida superprotegidas por pessoas próximas, acabam por ter muitas dificuldades depois de um tempo. É muito mais difícil crescer, para quem não passa antes, por dificuldades. Dificuldades são desafios que incitam a pessoa a trabalhar, pensar, ser criativa, inovar, a descobrir meios de superá-las. O próprio esforço é essencial na superação, na descoberta de novos limites, de talentos e competências, que sem dificuldades nem se sabia que havia. Por vezes as dificuldades deveriam ser encaradas como bênçãos.
Sem dificuldades, estaríamos perdidos, pois dificuldades maiores virão, e cada um de nós pode entender que o criador está nos cuidando e do nosso futuro, nos treinando para encarar os próximos desafios. Quanto mais críticos os desafios que conseguimos solucionar, mais importantes desafios virão até nós e melhores frutos colheremos ao longo da caminhada. As dificuldades desaparecem somente no último momento, mas esse último momento chega somente devido as dificuldades que conseguimos superar.
Uma das características reconhecidas de nosso povo é a criatividade, em especial, como encontramos formas de superar dificuldades de maneira simples e criativa. Somos capazes de encarar a dura realidade com alegria, fazer graça das nossas dificuldades e utilizar a criatividade para superar os desafios. Por isso sugiro aos amigos leitores que tentem não receber negativamente e nem se abalar por qualquer dificuldade. Para isso é importante descobrir algo positivo em cada uma das dificuldades que se apresentam. A mesma rocha que bloqueia o caminho poderá funcionar como degrau. Se não houvesse as rochas do caminho, talvez não faríamos aquele esforço extra para nos elevarmos e descobrir caminhos novos. O próprio processo de subir ou contornar “as pedras do caminho” transformando-as em degraus, nos proporciona uma nova atitude para ser e fazer melhor.
Quando pensamos criativamente sobre a vida, sobre os negócios, tudo pode ser útil e tudo pode ser um caminho para frutos melhores. Veremos assim, que o criador não põe nada em nosso caminho que não tenha sentido. Sejamos todos mais criativos e assim inovadores na superação de nossas dificuldades.
Um abraço e até a próxima!  

sexta-feira, 15 de junho de 2018

Por um País mais sensato

     Ideias para movimentos e manifestações não tem faltado nas últimas décadas em nosso país. São convites para ir para rua, por uma lista quilométrica de indignações, ir pra rede, ir para cá ou para lá, por cada uma das coisas que passam da conta para um grupo hoje, para outro amanhã e assim por diante. Faz um tempo que venho pensando quantos adeptos teria para promover um movimento social por um Brasil mais sensato.  
     Há décadas elegemos Presidentes e parlamentares que prometem fazer as reformas que o País precisa, pois todos mostram que mantendo legislações arcaicas, não temos condições de desenvolvimento econômico, social, sustentável. Quando eleitos, por diversos motivos sequer conseguem montar um projeto consistente de reforma, que antes mesmo de ir as votações, o congresso e a população se movimenta das mais diversas formas contra a mudança. A falta de sensatez só não é inacreditável porque vivemos aqui, acompanhando os detalhes. 
     Há décadas os governos colocam o País como refém do transporte rodoviário, mas não direcionam investimentos para estradas. Cedem a lobbys e pressões do setor, reduzem tributos para aumento da frota de caminhões, mesmo com um PIB estagnado. Lembro que de 2010 a 2017 a frota de caminhões aumentou 34,3% enquanto o volume a ser transportado aumentou 1,3%. Com o mesmo volume para transportar e 1/3 a mais de oferta, é óbvio que o preço do frete iria cair! Acrescenta-se a mudança na política de preços do monopólio controlado pela união para os combustíveis, valorização do dólar por aumento de juros nos EUA, aumento de 60% no preço internacional do petróleo e seria óbvio que algo muito grave iria ocorrer. Parou-se o País por 10 dias, com consequências incalculáveis, tudo para aumentar o preço do frete, buscando a viabilidade do setor com excesso de oferta. No dia seguinte á publicação de medidas que garantiram o aumento das margens dos transportadores, todo o setor produtivo, de agricultores a comerciantes e industriários que contribuíram com a paralisação se dão conta dos prejuízos que levarão anos para serem cobertos e ainda, de que de as medidas defendidas aumentaram significativamente os seus custos de transporte, com consequências para seus preços. Ou seja, fez-se um movimento pelo aumento do frete e tendo êxito, incrivelmente parte dos manifestantes iniciam um movimento para barrar o aumento. Com estas situações, como é que alguém pode crer que este é um país sensato, seja para investimentos, acordos ou parceria?    
     Passamos anos, eleições após eleições pedindo mudanças. Escrevemos, discursamos pedindo mudanças e os novos nomes que se atrevem a se apresentar em meio á política tão desgastada são praticamente ignorados pelos eleitores. Vejam as listas de pré-candidatos a Presidente, Governador, Senador, Deputados que estão se apresentando. Tem nomes novos, de bons administradores, e de “ficha limpa”. Pesquisando o curriculum de alguns me surpreendi positivamente com a coragem e a abnegação de colocarem o nome a disposição em meio a tudo o que se houve falar da política. Por outro lado, muitos destes nomes nem aparecem nas pesquisas, que apontam os mesmos de sempre como favoritos. Como é que um país que passou pelo que passou e ainda passa, com boa parte das lideranças políticas tradicionais presas, ou prestes a ser, que pede veementemente mudanças, que aplaude discursos de mudanças, vota sempre nos mesmos? Onde está a sensatez?
     Na sua casa, na família, amigos, empresas, nas suas redes, como podemos fazer um País mais sensato? 
     Um abraço e até a próxima!   

sexta-feira, 8 de junho de 2018

Quem quer mudanças de verdade?

     Ao acompanhar as manchetes, manifestações e frases de efeito nas redes sociais, rádio, TV, jornais, parece que a resposta é óbvia e que todos querem mudança. Todavia, se atentarmos aos detalhes e ao conteúdo, creio que somente as mudanças convenientes para cada indivíduo são desejadas. É um fenômeno social e bem conhecido, que vemos se repetido num Brasil que  não sai da mesmice.
     Sabemos que somente as mudanças estruturais podem salvar o Brasil. Desde que iniciou a  redemocratização, os últimos 6 presidentes da república, incluindo o atual, prometeram mudanças estruturais como as reformas trabalhista, tributária, previdenciária e eleitoral, além de aumento de investimentos em educação e infraestrutura. Os candidatos que estão se apresentando também vão prometer o mesmo!
     A legislação arcaica, truncada e por vezes subjetiva das áreas trabalhista e tributária impedem a criação de novas vagas de emprego e novos negócios, causam falência de negócios atuais, dificultam a inovação, a pesquisa e o desenvolvimento, prejudicando a competitividade e fazendo com que tudo fique ainda mais caro. Agora, procure lembrar como foram as tentativas e trâmites das propostas para alterações tributárias e trabalhistas dentro dos 6 últimos governos e também no congresso. Lembre também quantas entidades e de diferentes representações mobilizaram suas forças e integrantes para barrar as mudanças. 
     A estrutura previdenciária atual é indigna para a maioria dos aposentados, é injusta e descabida para as minorias, é sabidamente inviável para o país e irresponsável com as gerações mais novas. Eu e meus filhos não teremos aposentadoria alguma, se não houverem mudanças urgentes. Se não lembrar como foram as tentativas dos governos anteriores, deves lembrar como foram as tentativas mais recentes de reforma da previdência, negociações no governo, no congresso, manifestações, etc. Todos sabem que precisa reformar, mas quem quer mudar?
     A cada eleição ocorrem pequenas mudanças na legislação eleitoral, no entanto, sabemos que é preciso uma grande reforma eleitoral. Quem se mobiliza para isso? A classe política brasileira é possivelmente a mais contestada e mal falada da atualidade e a primeira vista, parece que todos querem mudanças, gente nova, novos partidos, novos candidatos, novas propostas, etc. Há 4 anos, logo após o escândalo do mensalão foram eleitos mais de 70% dos mesmos deputados estaduais, federais, senadores, governadores e presidente. Os 2 principais nomes da última eleição, Dilma e Aécio disputam acirradamente a liderança nas pesquisas eleitorais para o senado por Minas Gerais. Há 4 meses da eleição, a maioria dos nomes para a presidência da república são os mesmos das últimas 4 eleições! 
     Em nossas cidades, quais as mudanças desejadas? Em alguns casos são muitas. Quais delas tem verdadeiramente apoio da maioria da população, dos políticos, dos empresários, das lideranças de entidades? Para os cargos eletivos do seu município, quem teve mais chance de se eleger: quem tentou o 3º ou 4º mandato, ou aquele que tentou pela primeira vez? 
     Infelizmente só temos unanimidade para dizer que está muito ruim, mas poucos se definem pelas mudanças de verdade. É irracional e ilógico, querer resultados melhores, querer mudanças, rejeitando as reformas que estão em pauta há mais de 20 anos, assim como manter sempre os mesmos, escolhendo os mesmos nomes e as mesmas propostas. É por estas e outras que “mudança” sempre foi e será um argumento que elege muita gente, que depois, não consegue mudar nada.
     Quem quer mudar de verdade? 
     Um abraço e até a próxima!   

segunda-feira, 4 de junho de 2018

Decisões e consequências

     Vivemos dias de apreensão, dúvidas, dificuldades a partir dos movimentos dos transportadores rodoviários de cargas, dos anúncios de medidas do governo a partir da pressão gerada, incluindo a confusão de informações desencontradas, boatos, notícias e outros. 
      Décadas atrás quando optou-se pelo monopólio de refino e distribuição de derivados de petróleo para Petrobrás, já havia conhecimento suficiente para saber que um negócio tão grande e sem concorrência não teria controle de custos, nem busca por eficiência administrativa. A concorrência plena é quem faz preços caírem, nunca um monopólio. Para piorar, o controle deste monopólio é estatal num país em os sucessivos governos fazem todo o tipo de política, muitas vezes eleitoreiras com os patrimônios da nação. As decisões pelo monopólio do refino e distribuição, com controle estatal não teriam outra consequência senão preços altos, situação agravada nos últimos anos pela escalada dos tributos. 
      Com os atuais 45% de impostos sobre os combustíveis, ou seja, praticamente a metade do preço, mesmo a melhora da eficiência e a redução da interferência estatal seriam insuficientes para termos preços em níveis aceitáveis. Os combustíveis impactam em absolutamente todas as cadeias produtivas e estes tributos são boa parte do que se convencionou chamar de custo Brasil, que impede nossos negócios de serem mais eficientes. Sem concorrência, gestão política e 45% de tributos como alguém imagina ter preços compatíveis com a necessidade dos setores produtivos?
      Quando decidiu-se trocar os investimentos em ferrovias, de custos bem menores, por grandes contratos de construção de rodovias, estimulando a criação de grandes empreiteiras e incentivando fábricas estrangeiras de caminhões para se instalar no Brasil, já era sabido que o país seria refém do transporte rodoviário de cargas. Alguém tem notícia de um país desenvolvido que tenha um único modal logístico? 
      Colhemos hoje os resultados daquelas decisões. 
      Um país dependente de um único modal logístico, que depende de um único combustível, que é controlado por uma única empresa, com gestão política, com preços regulados pela demanda e oferta internacional, são decisões que tem as consequências conhecidas. 
      Ao invés de planejar o futuro, parece que nos surpreendemos com os resultados óbvios das nossas próprias decisões! Queremos um país diferente, fazendo sempre a mesma coisa?
      Um abraço e até a próxima!   

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...